Autoestima II

Educando para a construção da autoestima saudável

Tenho observado tanto no contexto clínico, quanto no social que os pais tem se preocupado muito com esse aspecto da personalidade dos filhos… Fico feliz, pois cultivar a autoestima de uma criança é uma responsabilidade muito importante, tendo em vista que esta estabelece as bases para as novas relações e a vivência de novas experiências, sendo assim, são os pais as peças fundamentais na construção da autoestima infantil.

Para evitar armadilhas como, por exemplo, as comparações entre as pessoas, principalmente comparações entre crianças, as quais ainda não apresentam defesa nessa fase, necessita-se compreender que essa atitude machuca e favorece a construção de uma autoestima dependente do externo, enfraquecendo a relação consigo mesmo, pois abala a autoconfiança, principalmente quando essa comparação parte da própria família.

Penso ser importante desenvolver nos filhos o orgulho e o respeito por si próprio, bem como a fé e a capacidade de enfrentar os desafios da vida. Os pais precisam estar atentos e identificarem algumas crenças fantasiosas que os filhos possam ter de si mesmos, pois essas podem estar relacionadas com a sua aparência, com as habilidades e capacidades deles. Incentivar os filhos a experimentarem coisas novas, frequentarem lugares diferentes, fazerem novas amizades, comerem alimentos que fogem do rotineiro, conhecerem e praticarem diferentes esportes lhes fará pensar sobre cada coisa, oportunizando buscarem soluções diferentes, promovendo segurança para enfrentarem desafios. E serão essas lições, as mais valiosas para a construção da autoestima equilibrada.

E em todas essas experiências, haverá erros e frustrações… Pois partimos do pressuposto que nem todos os amigos estão sempre disponíveis na hora que desejamos. Nem todos os ambientes são confortáveis. Nem todos os esportes precisam vencedores. Nem todos os sabores são doces e amenos… E é essa a vida real!!!

Educar os filhos para o mundo real, formando-os com autoestima equilibrada, requer faze-los perceber o quanto são amados pelos pais, o quanto são bem quistos e o quanto seus pais lhes aceitam do jeito que são, com todas as suas características, suas dificuldades, incondicionalmente. E para tanto, também se faz necessário à definição de regras consistentes, coerentes e com finalidades claras. Enfim, os tão mencionados limites na educação que também contribuem para a formação da autoestima equilibrada desses filhos.

O já mencionado psicólogo e analista de comportamento Enrique Maia, 2014, alerta que pais com autoestima frágil, ampliam as chances de terem filhos com o mesmo problema. Às vezes, até o modelo de marido e mulher que encontram nos pais é reproduzido nos relacionamentos amorosos da vida adulta. Conclui-se então, que a saúde da autoestima pode ser determinante inclusive nos relacionamentos amorosos.

Mesmo que o afeto recebido da família não tenha sido o mais positivo; mesmo que as oportunidades da vida não tenham sido suficientemente edificantes para a construção de uma autoestima equilibrada, ainda assim é da responsabilidade cada indivíduo a auto superação e a determinação em fortalecer suas bases emocionais e com coragem e amorosidade. Zelar da autoestima dá muito trabalho, mesmo… É um cuidado permanente, com todos os aspectos do seu desenvolvimento, seja a higiene pessoal, atividade física, alimentação e relações interpessoais, e os benefícios são notáveis. A autoestima equilibrada auxiliará, desde a escolha de uma parceria que tenha mais afinidade com você até a minimização de medos, inseguranças e o aumento da flexibilidade de suas defesas, para que a convivência entre as pessoas torne-se agradável.

Por Cristiane Richter – Psicóloga & Acupunturista do Espaço Vida Centro Terapêutico.

Referências Bibliográficas

SANTOS,Elisama. Educação não violenta: Como estimular autoestima, autonomia, autodisciplina e resiliência em você e nas crianças. SP 2016.
NELSEN. Jane. Disciplina positiva: O guia clássico para pais e professores que desejam ajudar as crianças a desenvolver autodisciplina, responsabilidade, cooperação e habilidades para resolver problemas eBook Kindle. 3°Edição. E-book
https://www.personare.com.br/como-a-autoestima-influencia-os-relacionamentos-m6149# por Daniela Martins. Acessado 07/10/19.